Doença arterial periférica

Imagem
Peripheral Arterial Disease
Doença arterial periférica
grey
top_left
Off

Doença arterial periférica

Condições de Saúde

O que é a Doença Arterial Periférica?

A doença arterial periférica afeta as artérias das pernas, dos rins e outras partes do corpo além do cérebro e do coração. Ele estreita ou bloqueia as artérias, reduzindo o fluxo sanguíneo. Estima-se que 202 milhões de pessoas no mundo convivam com a doença. 1 Já que muitas pessoas não estão cientes da doença, ela muitas vezes não é diagnosticada a tempo e, portanto, é tratada tarde demais.


O que causa a Doença Arterial Periférica?

A causa mais importante da doença arterial periférica é o acúmulo de placas de gordura nas artérias, chamado aterosclerose. A placa é feita de colesterol, as gorduras no sangue, produtos residuais celulares, de cálcio e uma proteína grudenta chamada fibrina. Ao estreitar ou mesmo fechar as artérias, a placa reduz o fluxo sanguíneo normal (isquemia). Sem sangue rico em oxigénio suficiente, os órgãos e tecidos deixam de funcionar. O tipo mais comum de doença arterial periférica é a isquemia crítica dos membros. Entre cinquenta e setenta e cinco por cento dos pacientes com doença arterial periférica também sofrem de aterosclerose cerebral e/ou coronária, que pode causar acidente vascular cerebral ou ataque cardíaco.2


Quais são os fatores de risco para a Doença Arterial Periférica?

Alguns fatores de risco, tais como idade e histórico familiar da doença, são incontroláveis. Outros, como o tabagismo, peso e nível de atividade, podem ser alterados.

  • Tabagismo
  • Diabetes
  • Idade (pessoas acima dos 50 correm maior risco)
  • Histórico familiar de doença cardíaca ou vascular
  • Hipertensão arterial (140/90 ou superior)
  • Alto nível de colesterol (colesterol total do sangue acima de 240 miligramas por decilitro)
  • Alto nível de gordura no sangue
  • Estilo de vida sedentário e falta de atividade física
  • Obesidade (Índice de massa corporal superior a 30)
  • Estresse

Como posso reconhecer a Doença Arterial Periférica?

No início, o distúrbio circulatório provoca desconforto em metade dos pacientes.

Se os sintomas incluírem dor no peito, dor de cabeça, vertigem e distúrbios visuais, eles podem indicar distúrbios circulatórios cerebrais e/ou coronários.

  • Braços e pernas cansados e fracos
  • Dor nas pernas (geralmente nas panturrilhas)
  • Dor nos braços ou nádegas (menos comum)
  • Sensação de queimação ou formigamento nos pés
  • Dormência nas mãos e nos pés
  • Pele fria e/ou alterações na cor da pele (avermelhada, azulada ou pálida)
  • Pernas e pés doloridos, ou má cicatrização de feridas
  • Dor intermitente e forte durante a caminhada, que desaparece com o repouso (claudicação)
  • Disfunção erétil

Como a Doença Arterial Periférica é diagnosticada?

Pacientes enquadrados nos fatores de risco devem fazer check-ups regularmente. Estes testes são usados para confirmar a doença arterial periférica:

  • Índice Tornozelo-Braquial (ITB): um médico mede a pressão no tornozelo e em ambos os braços. Normalmente, a pressão sanguínea nos tornozelos é a mesma ou ligeiramente mais elevada que a pressão sanguínea nos braços. Se a pressão sanguínea nos tornozelos for significativamente inferior ou superior nos braços, há fortes evidências de doença arterial periférica. Se o resultado for incerto, as medições são repetidas antes e após a atividade física (teste ergométrico).
  • Ultrassonografia: uma ultrassonografia que mostra vasos sanguíneos estreitados ou bloqueados e avalia o fluxo de sangue através das artérias.
  • Ressonância Magnética (RM): Imagens 3-D de altíssima qualidade mostram vasos e lesões existentes em um exame não-invasivo
  • Tomografia computadorizada (TC): Exames de raio-X mostram as artérias de diferentes ângulos.
  • Angiografia: é injetado um corante de contraste nas artérias antes que sejam tirados os raios-X. A angiografia é um método minimamente invasivo que fornece informações detalhadas sobre a localização e a extensão da obstrução arterial.

Saiba mais sobre o tratamento da doença arterial periférica.


1 Fowkes F, Gerald R, et al. Comparison of global estimates of prevalence and risk factors for peripheral artery disease in 2000 and 2010: a systematic review and analysis. The Lancet. 2013; 382 (9901): 1329–1340. http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736%2813%2961249-0/abstract

3 Olin Jeffrey W et al. Peripheral Artery Disease: Current Insight Into the Disease and Its Diagnosis and Management. Mayo Clin Proc. 2010; 85(7): 678-692.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2894725/

2 Hallett John W. Peripheral Arterial Disease. Merck Manuals Professional Edition. 2014.http://www.merckmanuals.com/professional/cardiovascular-disorders/peripheral-arterial-disorders/peripheral-arterial-disease